primeiro

padre

macua

vicentino

Agostinho Neto Cipriano é o nome do jovem padre ordenado no passado dia 11 de Junho, por D. Germano, na quase paróquia de Santo Agostinho, diocese de Nacala. O novo padre pertence à Congregação da Missão (Missionários Vincentinos). Tornou-se assim no primeiro macua a ser ordenado padre na congregação dos vicentinos. É o décimo vicentino natural de Moçambique.

 

Durante a celebração de ordenação o senhor bispo fez questão de recordar que este é já o terceiro padre originário da quasi-paróquia de Santo Agostinho (o primeiro foi o padre Geraldo, Sacramentino; e o segundo o padre Lobato da comunidade de Santo Egídio). E, o que é mais curioso ainda, todos eles são provenientes da mesma comunidade: São José. Pelo facto de esta ser precisamente a comunidade onde se situa o paço episcopal, o senhor bispo atirou em jeito de brincadeira: “provavelmente é por o bispo residir ali que esta comunidade tem tantas vocações sacerdotais!”

 

Quase a terminar a celebração, o bispo revelou que já enviou ao Papa carta de entrega da diocese nas suas mãos. Disse que cumpriu esse dever com alegria e agradecido por todos os dons que foi recebendo ao longo do seu episcopado (26 anos) e no tempo em que exerceu o ministério na diocese de Nacala; recordou sobretudo as 26 ordenações que já realizou. A propósito deste facto referiu que a diocese de Nacala se assemelha àquele que sobe a uma magueira para abanar os ramos de modo que os frutos caiam e possam ser aproveitados pelas pessoas que ficaram no chão. Recordou com alegria o fruto abundante do seu ministério nesta diocese e reforçou o desejo de que todos possam usufruir dessa fecundidade.

 

Por coincidência também na mensagem da paróquia de santo Agostinho, alusiva à ordenação, se formulou o desejo de que o filho desta paróquia e recém ordenado Padre Agostinho Neto fosse como a videira fecunda cujo fruto será aproveitado pelas Igrejas de todo o mundo onde este novo missionário vicentino será enviado.

 

Dom Germano falou ainda da tensão político-militar que atravessa actualmente Moçambique: “A verdadeira paz no nosso país será fruto dos pequenos gestos de reconciliação e de tolerância que as pessoas, e de modo especial os pobres, realizarem no dia a dia. A paz não depende tanto das aparatosas conversações que se realizam na sala de conferências Joaquim Chissano. A paz depende sobretudo de nós, daquilo que nós fizermos ao nível da base.Temos que dizer bem alto que a guerra é uma mentira. Só a paz interessa ao povo”, referiu. Para concluir dirigiu-se às crianças do movimento da Infância e Adolescência Missionária, exclamando: “crianças de todo o mundo…” ao que todas as crianças responderam bem alto: “sempre amigas”.

CALENDÁRIO

2016

HINO DO JUBILEU DIOCESANO

SIMPÓSIO JUBILAR

25 ANOS DA DIOCESE DE NACALA,

O PASSADO E O FUTURO

 

Formação de formadores, semana III, na Carapira

08

AGO

Encontro zonal da família, em Alua

09

AGO

Retiro diocesano, na Carapira

21

AGO

Peregrinação diocesana ao Santuário de Alua

10

SET

NÚMERO DE VISITAS

Congresso diocesano das mamãs, em Netia

17

AGO

12

SET

Encontro zonal de catequistas, em Mueria